03

maio

2018

Pesquisadores seguem o canto do japu na Fazenda São Nicolau

Por forest
Grande e barulhento, o japu do Juruena surpreendeu os pesquisadores (Foto: Bruno Rennó)

Grande e barulhento, o japu do Juruena surpreendeu os pesquisadores (Foto: Bruno Rennó)

 

Durante os trabalhos de campo para o desenvolvimento do guia de aves da Fazenda São Nicolau no ano passado, os ornitólogos Vitor Piacentini, João Pinho, Victor Castro e Tiago Ferreira se depararam com a oportunidade única de observar e coletar material sobre uma população de japu-de-capacete atípica. O primeiro encontro com a ave misteriosa ocorreu em janeiro de 2012 na região do rio Juruena, Norte de Mato Grosso, pelos também ornitólogos Bruno Rennó e Vitor Torga. Bruno e Vitor estavam fazendo um inventário de aves no Arco do Desmatamento para auxiliar na conservação das espécies quando se surpreenderam com centenas de japu-de-capacete (Cacicus oseryi) em um ninhal em uma fazenda de Cotriguaçu. Foi neste momento que surgiu a dúvida se essa seria uma nova espécie ou subespécie de ave. Afinal, essa população estava a 1.100 km do seu local de distribuição conhecido: o extremo Oeste da Amazônia. A dupla coletou material para comparações com as coleções de japu-de-capacete, mas, dada a similaridade entre as populações, era preciso reunir mais dados para análise.

Há seis anos, o ninhal identificado estava em uma embaúba localizada na beira de um pequeno igarapé no meio da floresta no Vale do Juruena. Para os pesquisadores, não fazia sentido encontrar uma população reprodutiva do japu numa região tão longe de sua distribuição geográfica conhecida até então e ainda separada desta pelo rio Madeira, uma grande barreira natural para o acesso da espécie à região. Bruno e Vitor fotografaram os indivíduos, gravaram o seu repertório vocal e capturaram uma fêmea para comparação direta com o material do japu-de-capacete, disponível em coleções científicas no Brasil e no mundo. Nos dias que seguiram, também procuraram por novos ninhais, mas sem sucesso.

Os pesquisadores se lançaram à missão de identificar, a partir das coleções, se essa seria uma nova espécie. Essa tarefa é árdua, pois existe uma grande variação morfológica entre as espécies e é necessário ter acesso a dados que extrapolem um indivíduo para afirmar uma distinção clara. “A maioria das pessoas que não têm formação na área normalmente esquece que espécie é população e não indivíduo. E a natureza é pródiga em produzir diversidade e variação, mesmo dentro de uma única espécie. Diferenças ligadas à idade, sexo e local de ocorrência de um indivíduo podem tornar a delimitação de uma espécie algo bastante difícil, por vezes até subjetivo”, explicou Vitor Piacentini. Essa primeira análise revelou que a fêmea capturada era levemente mais escura que os indivíduos do Oeste amazônico. Foram examinados 40 exemplares do japu-de-capacete preservados no Museu Paraense Emílio Goeldi (Belém), American Museum of Natural History (Nova Iorque), Field Museum of Natural History (Chicago) e Louisiana State University Museum of Zoology (Baton Rouge).

Além da coloração da plumagem, as gravações revelaram sutis diferenças do canto dos japus encontrados em Mato Grosso. Contudo, as amostras genéticas obtidas em Cotriguaçu apresentaram problemas e não permitiram avaliar se havia de fato distinções entre essas populações. Os descobridores do japu no Mato Grosso sabiam que seria necessário retornar a campo para ampliar a amostra e, quando seus colegas do Laboratório de Ecologia de Aves da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) foram convidados a participar do guia de aves, acharam os parceiros que precisavam para tentar identificar o japu do Juruena.

A São Nicolau é vizinha da fazenda em que o ninhal havia sido encontrado pela primeira vez e, em novembro de 2017, os ornitólogos da UFMT se juntaram ao pesquisador Everton Miranda, já hospedado na Fazenda, onde estava desenvolvendo os levantamentos em campo para a elaboração de sua tese de doutorado sobre harpias. O grupo seguiu as coordenadas levantadas pelos pesquisadores em 2012 na esperança de encontrar novamente a população. No local, o silêncio imperava e o ninhal não existia mais (as embaúbas estavam quebradas por causa de fortes ventos). Houve ainda tentativas de tocar a voz da espécie em playback para atrair o japu. Sem nenhuma resposta, os pesquisadores retornaram decepcionados à São Nicolau.

O grupo sabia que teria uma semana de campo pela frente e ainda poderia achar a espécie furtiva. A surpresa aconteceu quando Vitor Piacentini escutou o canto do japu entre a algazarra das centenas de aves que se reuniam no entardecer em duas grandes touceiras de bambus exóticos, atrás do refeitório da Fazenda. “Cerca de um minuto depois de começar a observar com cuidado, uma ave cruzou o céu acima de mim e pousou numa haste de bambu. Uma ave grande, avermelhada, com a cara escura e que me olhava com olhos branco-azulados. O misterioso japu do Juruena fora reencontrado!”, relatou Vitor Piacentini. O reencontro permitiu, então, que pudessem ser retomados os trabalhos de comparação com os espécimes do Oeste da Amazônia.

 

O japu é reencontrado atrás do refeitório da Fazenda São Nicolau (Foto: Victor Castro)

O japu é reencontrado atrás do refeitório da Fazenda São Nicolau (Foto: Victor Castro)

 

As observações que se seguiram confirmaram as diferenças de plumagem para a população do Oeste amazônico. Mas, como as distinções não são muito chamativas, é possível que essa seja uma subespécie. O número de gravações do canto ainda é pequeno para apoiar um resultado mais categórico. O pesquisador Bret Whitney, da Universidade de Louisiana (EUA), recentemente conseguiu gravar chamados de alguns indivíduos em Colniza, também no Norte de Mato Grosso, confirmando que a espécie ocorre ao menos entre os rios Aripuanã e Juruena.

De posse de novas amostras de material genético, o próximo passo dos pesquisadores será uma análise molecular em busca de identificar a variação existente. Ainda é cedo para afirmar se o japu do Juruena é uma nova subespécie ou espécie. A única certeza é que uma nova ave grande, barulhenta e colorida encantou os pesquisadores no Arco do Desmatamento.

Comentários

Envie-nos uma mensagem

Envie-nos uma mensagem ENVIAR

ONF Brasil

(65) 3644 7787

contato@onfbrasil.com.br

Fazenda São Nicolau, Cotriguaçu - MT

Treepixel Agência Digital Forest Comunicação