Plantios são monitorados segundo metodologia da ONF Brasil e ONF International (Foto: Alan Bernardes/ ONF Brasil)

Plantios são monitorados segundo metodologia da ONF Brasil e ONF International (Foto: Alan Bernardes/ ONF Brasil)

 

A atividade faz parte do inventário anual dos plantios do Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF (PPCFPO). Conduzida na Fazenda São Nicolau, a iniciativa iniciou em agosto e deve ser concluída no inicio de setembro. Ao todo, serão monitoradas 420 parcelas permanentes, alocadas em 84 talhões do projeto. O método segue as regras definidas pelo protocolo dos plantios, elaborado em parceria pela ONF Brasil e ONF International e validado pela certificadora VCS (Verified Carbon Standard, pela sigla em inglês).

A prática do inventário existe desde 2003 e é uma forma de monitorar o sequestro de carbono alcançado a partir do reflorestamento com 50 espécies nativas. No período da seca, no qual é realizada a medição, algumas espécies perdem as folhas. Porém, durante o ano na Fazenda São Nicolau, a beleza das árvores enche os olhos de estudantes, colaboradores e pesquisadores. A atuação científica é central para o PPCFPO, executado pela ONF Brasil. Ambas as iniciativas nasceram com o propósito de testar o conceito de poço de carbono florestal, consagrado pelo Protocolo de Kyoto – cujo objetivo era combater a emissão de gases de efeito estufa.

O PPCFPO é uma experiência bem-sucedida para demonstrar que é possível reflorestar o território amazônico com espécies nativas e com resultados de estocagem efetiva de carbono a partir do crescimento das árvores. Os plantios iniciaram em 1999 e usaram 50 espécies de nativas (na grande maioria dos 2.000 ha de área de pastos degradados reflorestados) e apenas 2 exóticas (teca e jamelão) em talhões minoritários.

Anualmente o inventário ocorre em duas etapas. A primeira compreende a coleta dos dados em campo pela equipe da ONF Brasil e colaboradores. Cada uma das parcelas mensurada e delimitadas por lascas de madeira tem 1000 m2 (com dimensões de 50 m e 20 m). As mesmas árvores são mensuradas, de forma continua, com a coleta dos dados de CAP (Circunferência na Altura do Peito), altura e estado fitossanitário dos indivíduos que foram plantados pelo projeto.

A segunda fase do inventário prevê a sistematização dos dados em planilha e, posteriormente, a quantificação do carbono estocado por meio do software calculador Camara.

A atividade é realizada todos os anos e, em 2017, recebeu o apoio de 8 acadêmicos de Engenharia Florestal da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), campus Alta Floresta. Os estudantes que participam do inventário têm a oportunidade de praticar em campo o conhecimento adquirido na academia. Neste ano, a Prof. Fabrícia Rodrigues foi responsável pela orientação e acompanhamento dos estagiários. Os alunos foram selecionados por meio de edital lançado pela ONF Brasil em junho. O estudante de mestrado em Ciências Agronômicas da Universidade Livre de Bruxelas (ULB), Clément Bocque, que atualmente coleta dados na Fazenda São Nicolau para o seu Trabalho de Conclusão de Curso, também contribuiu com a atividade.

 

Veja mais fotografias do inventário:

Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 1 Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 7

 

 

Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 9 Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 10
Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 9 Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 7
Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 8 Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 3
Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 2 Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF mede quantidade de carbono estocado nas árvores de reflorestamento da Fazenda São Nicolau 6

Mudas do projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF (Foto: Thiago Foresti/ Forest Comunicação)

Mudas do projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF (Foto: Thiago Foresti/ Forest Comunicação)

 

No início dos anos 2000, quatro projetos-piloto de compensação de emissão de carbono foram analisados para verificar os benefícios gerados ao desenvolvimento sustentável local. Localizadas na América Latina, as iniciativas escolhidas foram o projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF, o Projeto Plantar, o Projeto de Captura de Carbono da Ilha do Bananal e o Projeto Noel Kempff Mercado – Climate Action. Em estágio inicial, com até 5 anos de execução, as três primeiras ações foram implementadas no Brasil (Mato Grosso, Minas Gerais e Tocantins) e a última, na Bolívia (Santa Cruz).

O grupo que conduziu o estudo foi formado por pesquisadores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), da Universidade de Anglia do Leste (Reino Unido), da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná e The Nature Conservancy. A equipe realizou 100 entrevistas de 2001 a 2002 e comparou os objetivos pretendidos dos projetos com os benefícios efetivos – na área ambiental, social e econômica.

Os empreendimentos se configuram como Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL), previstos pelo Protocolo de Quioto (assinado em 1997). De acordo com as características do MDL, os países desenvolvidos podem alcançar os seus compromissos de redução de emissões de gases poluentes a partir da compra de créditos de carbono de projetos executados em países em desenvolvimento. Contudo, a revisão bibliográfica realizada pelos pesquisadores identificou a recorrência de desafios para garantir a participação das comunidades envolvidas nas ações, como também assegurar a distribuição justa dos benefícios e a resposta às demandas de grupos locais em situação de vulnerabilidade.

Dentre os projetos analisados, esteve o Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF, que se volta para o reflorestamento e a recuperação de área degradada no Arco do Desmatamento no Noroeste de Mato Grosso. A expectativa inicial era de capturar 2 milhões de toneladas de carbono em 40 anos, reestimada para 1 milhão de toneladas de CO2 em 40 anos – hoje os dados comprovam uma absorção superior a 550.000 toneladas de CO2 em 16 anos do projeto. Por sua vez, o Plantar, em Minas Gerais, produz “ferro-gusa verde” para a indústria do aço com a previsão de evitar 12.88 milhões de toneladas em 28 anos. Em Tocantins, o Projeto de Captura de Carbono da Ilha do Bananal (Tocantins) promove a consciência ambiental e a distribuição de mudas com a meta inicial de compensar 65 milhões de toneladas de carbono em 30 anos (reduzida para 25 milhões de toneladas em 25 anos). Por fim, na Bolívia, a intenção do Noel Kempff Mercado – Climate Action é evitar o desmatamento com a conservação florestal. A proposta era de compensação de 14 milhões de toneladas de carbono em 30 anos (alterada para 7 milhões).

Os pesquisadores apontaram algumas recomendações a partir da análise dos projetos e do aprendizado gerado – como a criação de um órgão consultivo para o Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF, o Comitê Científico e Técnico. O grupo de estudiosos sugere aos executores o exercício de antecipar os riscos das iniciativas, compreendendo o contexto histórico e político local. Associados aos programas de educação ambiental, há a orientação pela adoção de práticas de treinamento e assistência técnica. Além disso, os estudiosos enfatizaram que os acordos interinstitucionais são essenciais para definir as responsabilidades compartilhadas e a transparência das ações.

As recomendações aplicadas à iniciativa de Mato Grosso

Hoje, passados 17 anos, o Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF serve como um exemplo vivo de como essas sugestões foram bem acertadas. Tendo implementado todas as orientações dos pesquisadores, o Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF conta, há 15 anos, com um Comitê Científico e Técnico, que tem sido instrumental para guiar a boa condução das práticas no campo e das pesquisas acadêmicas desenvolvidas na Fazenda São Nicolau.

Outra iniciativa bem-sucedida e que acumula também 15 anos de experiência foi o Programa de Educação Ambiental. As ações do programa têm sido determinantes para aproximar a população local das questões ambientais e incentivar as novas gerações a terem uma relação menos destrutiva com a natureza. Mais de 8000 pessoas participaram das atividades educativas ao longo dos anos.

Além disso, a aproximação com a comunidade ocorreu a partir do apoio técnico ofertado aos moradores do entorno. Essa contribuição começou com o incentivo à coleta e à comercialização da Castanha do Brasil, o suporte à criação de uma cooperativa e a assistência técnica na implementação de Sistemas Agroflorestais (SAFs). Por fim, essas ações culminaram na criação do Projeto Plataforma Experimental para gestão dos Territórios Rurais da Amazônia Legal (PETRA) em 2012.

Em termos de cooperação e acordos interinstitucionais, muitos foram feitos com diversas universidades, como por exemplo, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e a Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Da parceria com a UFMT, mais de 40 artigos científicos já foram publicados entre as várias dissertações de mestrado e teses de doutorados conduzidas na Fazenda São Nicolau. Ao menos, duas novas espécies foram descritas pela primeira vez!

 

Referência bibliográfica:

May, P., Boyd, E., Chang, M., & Veiga, F. C. (2013). Incorporando o desenvolvimento sustentável aos projetos de carbono florestal no Brasil e na Bolívia. Estudos Sociedade e Agricultura, 1.

 

A ONF Brasil reúne a academia, a sociedade civil, o governo e o setor privado para debater ações de mitigação das mudanças climáticas

 

DSC_0064

Mesa de abertura da reunião anual do Comitê Científico e Técnico (Foto: Juliana Mendes/ Forest Comunicação)

 

Acordo de cooperação técnica visando o reflorestamento, a gestão florestal, o sequestro de carbono e a integração social na Fazenda São Nicolau em Cortiguaçu (MT) foi assinado por representantes da Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso, da Peugeot, da ONF International – escritório de consultoria sobre gestão sustentável e combate ao efeito estufa – e de sua subsidiária no país, a ONF Brasil. A parceria ocorria informalmente desde 1998, quando a fazenda de 10.134 hectares foi adquirida e se tornou um laboratório a céu aberto para pesquisas e projetos de biodiversidade e de mitigação das mudanças climáticas.

 

DSC_0141

Acordo de cooperação técnica entre a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso, a Peugeot, a ONF International e a ONF Brasil (Foto: Juliana Mendes/ Forest Comunicação)

 

A oficialização da colaboração, no entanto, ocorreu durante a reunião anual dos projetos Projeto de Carbono Florestal Peugeot-ONF e PETRA, geridos pela ONF Brasil. Na ocasião, foi divulgada também a aprovação no dia 7 de março do Plano de Manejo da Reserva Particular do Patrimônio Natural Peugeot-ONF Brasil, área de 1.781 hectares instituída como unidade de conservação em 2010.

 

DSC_0148

A coordenadora científica do projeto PETRA, Luciana Rebellato, elaborou o plano de manejo da RPPN Peugeot-ONF Brasil (Foto: Juliana Mendes/ Forest Comunicação)

 

O objeto do referido acordo são os projetos Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF – PPCFPO e Plataforma Experimental para a Gestão dos Territórios Rurais da Amazônia Legal – PETRA. A intenção é auxiliar no aspecto operacional das iniciativas, contribuir com a rede de pesquisadores de manejo florestal e apontar os desafios para a implementação da Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal – REED+ no estado do Mato Grosso.

O PPCFPO, com quase 20 anos de existência, teve sua origem associada ao Protocolo de Kyoto e ao decorrente compromisso global de combate às mudanças climáticas. Segundo o coordenador do projeto, Roberto Silveira, o PPCFPO surgiu da união de duas empresas, a Peugeot e a ONF International, e a pretensão inicial era testar o conceito de poço de carbono no noroeste do estado, em território da floresta amazônica.

 

DSC_0090

O coordenador do PPCFPO, Roberto Silveira, apresenta as origens da iniciativa (Foto: Juliana Mendes/ Forest Comunicação)

 

“Ouse saber” foi o convite feito pelo Diretor de Comunicação da Peugeot, Marc Bocqué. O representante da empresa automobilística indicou a urgência de conhecimento aliado à urgência para a ação, demonstrada pela comunidade internacional a partir da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima – COP 21 em Paris. Bocqué sabe que é um longo caminho para aplicar as mudanças, porém acredita no encontro de homens de boa vontade para se construir um futuro melhor para o meio ambiente.

O projeto PETRA, lançado em 2012, visa agregar conhecimento científico às comunidades locais, expandindo as ações para além da Fazenda São Nicolau. De acordo com o coordenador executivo, Leonardo Ramos, a plataforma pretende estabelecer sistemas de produção econômica ecologicamente eficientes, fortalecer as capacidades dos agentes socioeconômicos e do poder público, gerar estudos e pesquisas para responder às necessidades locais e apresentar conhecimento acessível aos beneficiados.

 

DSC_0102

O coordenador executivo do PETRA, Leonardo Ramos, explica a proposta do projeto (Foto: Juliana Mendes/ Forest Comunicação)

 

Os resultados das iniciativas foram apresentados no dia 16 de março em Sinop (MT) durante a 16ª reunião do Comitê Científico e Técnico e Comitê de Pilotagem do PPCFPO e a 4ª reunião do Comitê de Pilotagem do Projeto PETRA. O encontro foi um momento de diálogo e de compartilhamento de conhecimento. A coordenadora da ONF Brasil, Cleide Arruda, afirmou que sem as parcerias não seria possível desenvolver as ações.

Parceiros também tiveram a oportunidade de apresentar atividades que podem servir de inspiração para os envolvidos no trabalho na Fazenda São Nicolau. Por exemplo, há o projeto Arboretum do Serviço Florestal Brasileiro para restaurar áreas da Mata Atlântica e também a atuação do Instituto Centro de Vida – ICV com reflorestamento, boas práticas de pecuária e manejo florestal na região noroeste do Mato Grosso.

Durante o evento, especialistas da área – membros do Comitê Científico e Técnico – avaliaram as ações e identificaram recomendações para a melhoria dos projetos. João Ferraz, membro do comitê, apresentou as orientações. Identificou-se a necessidade de atualização do plano diretor do projeto, enfrentando o desafio de definir prioridades para a pesquisa em face à riqueza de temas e propostas. A memória dos projetos da Fazenda Nicolau também deve ser organizada com a construção de um banco de dados biológicos que permita o acréscimo contínuo de novos registros. A renovação das parcerias, a divulgação dos métodos de pesquisa e a retomada das reuniões técnicas intermediárias ao longo do ano estiveram entre as recomendações.

Outro membro do Comitê Científico e Técnico, Paulo Buckup, relatou sua experiência pessoal na Fazenda São Nicolau. Para o pesquisador, mais do que aspectos técnicos de manutenção das florestas, a concepção dos projetos contribui para a construção de uma sociedade melhor.