Anta (Tapirus terrestris) fotografada durante saída de campo na Fazenda São Nicolau (Foto: Gustavo Canale)

Anta (Tapirus terrestris) fotografada durante saída de campo na Fazenda São Nicolau (Foto: Gustavo Canale)

Angele Tatiane Martins-Oliveira, doutoranda em Ecologia e Conservação pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), recebeu o aceite da Revista de Ciências Agrárias neste ano, 2020. A resposta positiva do periódico português é reflexo da trajetória dessa pesquisadora que iniciou seu contato com a Fazenda São Nicolau em 2011. O paper intitulado “Estrutura e síndromes de dispersão da vegetação arbórea em floresta nativa e agrofloresta, na Amazônia Meridional” deverá ser publicado em breve e é mais um na carreira científica que compreende artigos em revistas nacionais e internacionais, como a Mammalian Biology e a Scientific Eletronic Archives.

A nova publicação enfatiza a necessidade de conservação das espécies de mamíferos de médio e grande porte que contribuem para o meio ambiente com seus comportamentos corriqueiros, como a dispersão de sementes dos frutos consumidos. Angele comparou a eficiência desse processo, conhecido como zoocoria, e aquele resultante da dispersão pelo vento, chamado de anemocoria.

O tema é correlato com a dissertação da pesquisadora, defendida em 2014 no Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da UNEMAT. O título do estudo, que contou com trabalhos de campo na São Nicolau é “Uso de sistema agroflorestal de teca (Tectona grandis L.f) por vertebrados terrestres de médio e grande porte, na Amazônia Meridional de Mato Grosso”. Acesse aqui a dissertação e outras publicações de Angele.

 

 A pesquisadora participou de diferentes atividades de monitoramento e observação no Arco do Desmatamento (Foto: Gustavo Canale)

A pesquisadora participou de diferentes atividades de monitoramento e observação no Arco do Desmatamento (Foto: Gustavo Canale)

 

Porém o contato com a Fazenda se iniciou bem antes, quando Angele se interessava por seguir carreira acadêmica, mas ainda não havia ingressado no mestrado. Em 2011, ela foi convidada pelo Prof. Dr. Dalci Oliveira para participar da equipe responsável pelo levantamento das aves na região, por meio do monitoramento dos módulos do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio). Essas coletas são apresentadas no livro intitulado “Descobrindo a Amazônia Meridional: Biodiversidade da Fazenda São Nicolau”.

Em 2013, Angele entra no mestrado de Ciências Ambientais pela UNEMAT, campus de Cáceres, e inicia o seu trabalho com o seu orientador, o Prof. Dr. Gustavo Canale, pesquisador que estuda a ecologia da paisagem e o comportamento da fauna. Inicialmente a ideia era investigar as aves, porém o orientador fez o convite, aceito pela pesquisadora, de focar nos vertebrados terrestres de médio e grande porte. A partir de então, foi o momento de um segundo contato com a Fazenda São Nicolau e o começo do novo trabalho de campo.

Contando com a parceria entre a ONF Brasil e a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), orientador e pesquisadora viajaram para a São Nicolau e conversaram sobre o método científico a ser utilizado para elaborar a amostragem do grupo de interesse. A opção foi pela metodologia de transecção linear, quando é realizado um censo em trilhas previamente definidas para realizar a observação dos vertebrados de médio e grande porte.

“Tal oportunidade se engajou com as observações que eu já fazia sobre a importância em expandir o conhecimento sobre a biodiversidade do Arco do Desmatamento, pois sabemos que a região foi e ainda é bastante impactada devido ao desenvolvimento e expansão da agricultura e pecuária, consequentemente essas atividades utilizam grandes áreas e mudam a forma de vida da biodiversidade”, explicou Angele.

 

Orientador e pesquisadora escolheram a metodologia de observação de mamíferos a partir de trilhas pré-definidas. Registro de macaco-aranha-da-cara-preta (Ateles chamek) (Foto: Gustavo Canale)

Orientador e pesquisadora escolheram a metodologia de observação de mamíferos a partir de trilhas pré-definidas. Registro de macaco-aranha-da-cara-preta (Ateles chamek) (Foto: Gustavo Canale)

Durante o trabalho de campo, uma das surpresas de Angele foi seu primeiro registro direto de onça-parda. Estava junto com um dos guias da Fazenda, o Valdemar da Silva Neto (Neto). Os dois pularam de alegria com o avistamento. A pesquisadora também lembra com carinho dos outros guias de campoRoberto Stofel e Francisco de Assis Nunes (Quim) e de todos os colaboradores locais, em especial Alaíde Xavier de Souza de Araújo e Gilberto Alves de Araújo.

Outra grande ajuda veio dos alunos do professor Juliano de Paula Santos da UFMT, campus Sinop. Durante o desenvolvimento do seu projeto de pesquisa nas Áreas de Preservação Permanente (APP), ele realizou uma excursão com graduandos do Curso de Engenharia Florestal, Zootecnia e Medicina Veterinária. Na ocasião, quatro de seus alunos: Rosane Wandscheer, Aldo Rocha, Vinícius Baumann Santos e Bruno dos Santos Carvalho, compuseram a equipe que contribuiu no levantamento da composição florística das 12 trilhas onde Angele fez o levantamento e monitoramento da fauna.

Além do apoio e das boas lembranças dos professores Gustavo e Juliano, a pesquisadora relembra da triste notícia do falecimento do seu avô, ocorrido enquanto Angele estava fazendo a coleta de dados na São Nicolau.

“Entre os motivos que me levaram a escolher a biologia e a área da conservação, certamente está a minha ligação com meu avô e ao legado de conhecimento que recebi dele, principalmente honestidade e respeito com o meio ambiente”, rememora.

Ao finalizar a dissertação, a pesquisadora concluiu que as espécies de primatas e ungulados (mamíferos com cascos) registradas nas diferentes áreas da fazenda São Nicolau, compreendendo a agrofloresta e a mata nativa utilizam esses ambientes de maneira alternadas e diferentes. Ou seja, espécies que possivelmente competiriam por recursos naturais, buscam alimentos em momentos distintos e nem todas as espécies utilizam as mesmas áreas.

Em especial, Angele identificou que os Sistemas Agroflorestais (SAFs) quando aplicados como métodos de restauração florestal em áreas degradadas são considerados uma boa alternativa, principalmente quando associados a áreas de florestas nativas adjacentes. Esses sistemas impactam positivamente populações de várias espécies de mamíferos de médio e grande porte, pois os animais encontram aí áreas acessíveis para manutenção de suas atividades vitais. Ao mesmo tempo, essa fauna contribui com o ambiente do SAF dispersando sementes dos frutos consumidos.

De forma resumida, os Sistemas Agroflorestais podem atender aos três pilares da sustentabilidade: economicamente viável, socialmente justo e ecologicamente sustentável. Economicamente viável se refere à possibilidade de gerar renda por meio de plantios que podem ser manejados e comercializados. Nessa direção, os SAFs agregam condições favoráveis para as populações dependentes desses ambientes, atendendo ao pilar do socialmente justo. Por fim, essas áreas podem oferecer recursos alimentares que contribuem com as demandas vitais exigidas pela fauna, atendendo ao pilar de ecologicamente sustentável.

Contudo, apesar dos SAFs contribuírem com a fauna de mamíferos de médio e grande, ele não pode ser considerado uma alternativa para todas as espécies da região. Afinal, algumas espécies não foram registradas (ou a sua observação foi muito rara) no Sistema Agroflorestal durante o trabalho de campo. Além disso, devemos levar em consideração a especialidade de algumas espécies para ambientes florestais, algumas espécies classificadas nas listas vermelhas nacional e global em categorias de ameaçadas, como o macaco-aranha-da-cara-preta (Ateles chamek) e o macaco-barrigudo (Lagothrix lagotricha), não foram avistados na SAF da São Nicolau, onde os estratos do dossel são mais desconectados.

Ao relembrar a pesquisa do mestrado, Angele demonstra grande apreço pela equipe da Fazenda. “São pessoas que me ensinaram muito. Além de trabalharem respeitosamente, também se tornaram amigos diante de nossas partilhas. Tenho imenso carinho pelas pessoas com quem pude conhecer e fazer amizades. Gratidão, à ONF, UNEMAT, UFMT, Professores, colaboradores e, em especial a nossa exuberante Amazônia”.

Estagiário trabalha na horta agroflorestal da São Nicolau (Foto: Saulo Thomas)

Estagiário trabalha na horta agroflorestal da São Nicolau (Foto: Saulo Thomas)

 

Ao longo de 2018 a roça agroflorestal da Fazenda, poupou mais de 6 mil reais na compra de alimentos para o refeitório. No futuro, essa estimativa deve descontar os custos de manutenção da horta, mas, por ora, é um indicador do sucesso da iniciativa e da possibilidade de suprir o refeitório da Fazenda com alimentos saudáveis e sustentáveis. No cardápio do café da manhã, do lanche da tarde e da janta, a melancia é o produto da roça preferido pela equipe. As pessoas ficaram tão acostumadas com os alimentos fresquinhos que reclamam quando faltam folhas e legumes.

“Hortaliças e legumes não faziam parte do hábito alimentar de todos e, aos poucos, eles estão sentindo a falta quando essas comidas não estão presentes”, comenta o engenheiro florestal Saulo Thomas, do Programa de Integração Local. A roça agroflorestal passou a despertar o interesse dos colaboradores a partir de setembro de 2016. O avanço mais recente da iniciativa foi a introdução de hortifrútis nas entrelinhas dos canteiros principais.

Entre os objetivos desse cultivo, está a possibilidade de replicação do modelo por escolas, plantios comunitários e fazendas locais. Com esse intuito, as práticas e as ferramentas para a consolidação da horta estão em processo de aperfeiçoamento para, no futuro, servirem de referência. Considerando que a logística de beneficiamento em larga escala dos alimentos substituiu a tradição da produção de subsistência, a expectativa é de que o modelo de horta da Fazenda São Nicolau se torne mais viável para locais onde a produção pode atender à demanda de consumo.

A horta foi planejada para ser implementada em módulos, facilitando a operacionalização e o escalonamento da produção. A referência técnica para o desenvolvimento desses módulos surgiu com a participação do Saulo no curso intensivo sobre Sistemas Agroflorestais (SAFs) da Fazenda da Toca, no interior de São Paulo, em julho do ano passado. No assentamento Mário Lago, visitado durante o treinamento, são utilizados módulos de horta agroflorestal para mais de 30 famílias. Na região, o mercado já está consolidado para o escoamento e consegue absorver a produção com valor agregado por ser orgânica.

Na São Nicolau, a roça está dando seus primeiros passos e o gerenciamento dos módulos é realizado com o apoio dos três estagiários do curso técnico em agropecuária do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), campus de Juína. Lucas Lauro Lima, Aline Vitória Mendes França e Milca Ferreira trabalham na produção de hortaliças, nos SAFs, no projeto de recuperação de área degradada, na produção de mudas florestais e frutíferas e no manejo de gado em sistemas tradicionais, silvipastoris e racionais.

O cuidado das áreas degradadas, principalmente a recuperação e proteção de Áreas de Preservação Permanente (APPs), é uma atividade que recebeu muita dedicação por parte dos estagiários. Na São Nicolau, os estudantes contribuíram para restaurar trechos da Fazenda que, antes da aquisição pela ONF Brasil, havia sofrido com pastagens e cultivos convencionais. No momento, a recuperação de todas as APPs da Fazenda está na fase de finalização.

Outro espaço de recuperação ambiental e de atuação dos estagiários foi o sítio Bom Jesus do  Antônio Lúcio de Oliveira. O sonho de preservar a riqueza natural na propriedade existe desde a sua aquisição e a ação se tornou urgente pela intensidade da degradação causada pela dessedentação do gado. O plano de ação foi elaborado durante o curso “Meio Ambiente e Educação Ambiental – Um Diálogo Inicial”, promovido pela ONF Brasil em parceria com a Sema/MT. O projeto programou a recuperação de forma gradual e utilizando o mínimo de recursos possíveis. Um exemplo é a escolha da tecnologia alternativa de cercas vivas formadas pela espécie Gliricídia sepium, muito usada no semiárido brasileiro.

Antes da implementação das estacas para a cerca viva, os estagiários realizaram uma revisão bibliográfica sobre a espécie e formas alternativas para fornecer água ao gado (como o carneiro hidráulico). As próximas etapas compreendem a execução da cerca em outros piquetes e o enriquecimento da área protegida com árvores frutíferas e espécies de interesse econômico, como o café e o urucum (para corantes naturais em alimentos e cosméticos).

A participação dos jovens em práticas sustentáveis é fundamental para a sua formação como profissionais conscientes. Os estagiários deixaram a São Nicolau conhecendo ações simples, como a roça agroflorestal, que podem gerar diversos benefícios sociais, ambientais e econômicos. Entre as vantagens, estão a regeneração de solos e a regulação do microclima local. Com o apoio dos estudantes, a Fazenda pode se tornar referência e difundir os bons resultados, principalmente pelos os colaboradores da ONF Brasil.

“A região Noroeste também é estratégica pelo fato de ser a fronteira agrícola com a Floresta Amazônica. Qualquer ação que diminua a pressão sobre o desmatamento ou mitigue seus efeitos é fundamental para a regulação do clima e o regime de chuva do Brasil”, concluiu Saulo.

IMG_20180829_181244499_BURST001[1]

O XI CBSAF contou com conferências, mesas redondas e trocas de experiências (Foto: Saulo Thomas)

De 27 a 31 de agosto, o engenheiro florestal Saulo Thomas participou do XI Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais – CBSAF na Universidade Federal de Sergipe – UFS. A edição anterior do evento foi realizada em Cuiabá em 2016 e também contou com a presença de vários representantes da ONF Brasil e do projeto PETRA (Plataforma Experimental para gestão dos Territórios Rurais da Amazônia Legal). No evento deste ano, Saulo se inscreveu no minicurso “Análise da Viabilidade Financeira de Sistemas Agroflorestais”, ministrado pelo Dr. Marcelo Francia Arco-Verde da Embrapa Florestas. Foi a oportunidade de conhecer a planilha elaborada por Arco-Verde que permite analisar os empreendimentos agroflorestais a partir de uma perspectiva econômica. O instrumento servirá para avaliar os pilotos de café plantados em Sistema Agroflorestal – SAF na Fazenda São Nicolau. Os aprendizados contribuem para planejar plantios agroflorestais em maior escala para o café e outras culturas com potencial de conservação produtiva na região, como o cacau e o urucum.

A programação do evento esteve repleta de mesas redondas, conferências e espaços para a troca de experiências. Entre os espaços que se destacaram, o Saulo aproveitou a “Troca de experiência: Projeto em Rede de Transferência de Tecnologias em ILPF no Brasil”, a “Conferência: Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas e Redução de Vulnerabilidade Climática”, a “Mesa Redonda: Marco Teórico de Assistência Técnica e Extensão Rural em SAFs no Brasil”, a “Mesa Redonda: Reflorestamento com Essências Nativas” e a “Conferência: Manejo do Sistema Cabruca”.

Facilitado pelo Dr. José Henrique Albuquerque Rangel da Embrapa Tabuleiros Costeiros, o intercâmbio sobre a Integração Lavoura Pecuária e Floresta – ILPF mostrou como esses sistemas podem garantir a sobrevivência e a produtividade no Semiárido brasileiro, em condições de extrema escassez hídrica. As informações podem ser aplicadas também para a Amazônia, bioma que tem enfrentado mudanças no regime de chuvas e perda da fertilidade nas pastagens. O ILPF tem o potencial de restaurar as áreas para a pecuária, ainda que nas piores condições, e contribuir para manter a produtividade em declínio.

A “Conferência: Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas e Redução de Vulnerabilidade Climática” também apresentou iniciativas realizadas no Semiárido. O projeto do Ministério do Meio Ambiente (MMA) atua em parceria com ONGs locais e em projetos de baixo custo para revitalizar nascentes e mitigar os efeitos da seca no Nordeste. Como resultado, as ações conseguiram unir a comunidade e tornar potável fontes de água que estavam em alto grau de assoreamento. Segundo o analista ambiental do MMA Cláudio Santos, “A participação comunitária é um componente muito importante. Até porque é necessário que a comunidade se envolva, se engaje, para que desse projeto venham demandas municipais, estaduais, e até nacional, para que se construa uma política fortalecida e aprovada pela população local”.

O contato com a comunidade e os atores locais foi tema da “Mesa Redonda: Marco Teórico de Assistência Técnica e Extensão Rural em SAFs no Brasil”. Os debatedores apresentaram os desafios do ensino e da extensão rural, que têm sofrido com o corte de investimentos. De forma geral, se atribui a resilência nesse campo aos experimentos conduzidos nas propriedades, em especial aqueles com sistemas pilotos agroflorestais. Afinal, nesse modelo, o agricultor realiza os investimentos e a disseminação de conhecimento entre os produtores é mais eficiente. Indicaram também o CATIE (Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza) como uma referência interessante, pois é o centro de ensino latino-americano mais antigo que trabalha com SAF.

Outra referência apresentada no congresso, durante a “Mesa Redonda: Reflorestamento com Essências Nativas”, foi o Projeto Purus. Semelhante às ações desenvolvidas na Fazenda São Nicolau, a iniciativa também possui certificação para a comercialização de créditos de carbono e promove atividades sociais voltadas para as comunidades do entorno. Saulo acredita que a experiência possa servir de inspiração e aprendizado para o projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF (PPCFPO) e o Programa de Integração Local.

A “Conferência: Manejo do Sistema Cabruca” apresentou inovações que podem também ser utilizadas na São Nicolau. O Cabruca insere uma cultura de interesse econômico em áreas nativas já estabelecidas ou em estabelecimento. A prática é realizada nas ocupações de comunidades cacaueiras no Sul da Bahia e é responsável pela conservação da Mata Atlântica. Esse conhecimento pode ser aplicado pela ONF Brasil considerando o uso do cacau – planta adequada às condições climáticas do Noroeste de Mato Grosso – para o enriquecimento dos plantios do PPCFPO e para a recuperação das Áreas de Proteção Permanente (APP).

O XI CBSAF se encerrou no dia 31 de agosto e a próxima edição está programada para 2020. O evento é organizado pela Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais – SBSAF.

 

*Com informações da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI).

IMG_20180713_091957487_HDR[1]

Horta agroflorestal da Fazenda da Toca, no interior de São Paulo (Foto: Saulo Thomas/ ONF Brasil)

A formação de um arranjo produtivo de café agroflorestal no Noroeste de Mato Grosso é uma proposta idealizada pelo projeto PETRA e está caminhando para reunir os produtores do entorno da Fazenda São Nicolau em um esforço coletivo para a transformação das práticas agrícolas. A iniciativa pode levar à adoção mais generalizada de um sistema de produção sustentável e eficiente, em substituição à monocultura. Além de aumentar a produtividade, um dos resultados esperados do arranjo, que depende do envolvimento de mais participantes para atingir larga escala, é conseguir um prêmio de valor pela qualidade do grão de origem agroflorestal, que é melhor que orgânico[i] do ponto de vista ambiental. Na Fazenda São Nicolau, a primeira colheita dos pilotos de café agroflorestal está prevista para 2020 e os resultados fornecerão diretrizes para tornar a replicação da experiência viável, tanto para a equipe da Fazenda quanto para os agricultores do PA Juruena.

Um dos resultados esperados do arranjo, com o envolvimento de mais participantes, é de tornar o preço do grão mais competitivo e ampliar o seu potencial de comercialização. O aumento da qualidade do produto ofertado também permitirá a busca por mercados diferenciados com potencial valorização do preço de venda e contratos de compra fidelizados.

Uma oportunidade para fortalecer o arranjo local foi a participação do engenheiro florestal Saulo Thomas no curso intensivo sobre Sistemas Agroflorestais (SAFs) da Fazenda da Toca, no interior de São Paulo, de 11 a 22 de julho. A Toca se destaca pelas experiências de agroflorestas em larga escala, acompanhadas de estratégias de marketing e comercialização valorizando essa modalidade de produção. A instituição já contou com a consultoria de Ernst Gotsch e Namaste  Messerschmidt, além da equipe da Preta Terra.

Durante as duas semanas de curso, o engenheiro do Programa de Integração Local da ONF Brasil teve contato com experiências bem-sucedidas de SAFs no assentamento Mario Lago, na Fazenda São Luís e na própria Fazenda da Toca.  Ao total, foram 12 dias de imersão nos quais a equipe do Toca Experiências abriu as portas da Fazenda. Na visita geral, o grupo conheceu a principal atividade produtiva atual, os ovos orgânicos, e a próxima aposta, o leite orgânico produzido em larga escala. Para Saulo, um dos momentos marcantes foi quando conheceu o Espaço Horizontes, um museu interativo (e quase uma viagem no tempo) para homenagear a história inspiradora de Abílio Diniz.

O curso apresentou experiências inovadoras, como o conceito de capitalismo social, no caso do sistema de arrendamento da área da horta, e também o processo de comercialização da Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA). Assim como na São Nicolau, a Toca tem um espaço destinado à produção de alimentos para atender a demanda do refeitório, sob responsabilidade de Maridélia Gonzaga, mestre em Agronomia.

A história de Maridélia é inspiradora, pois ela entrou na Toca pelo Programa Aprendiz e, há um ano atrás, apresentou um plano de negócios com o apoio da equipe da Toca Experiências. O resultado foi um investimento inicial da Fazenda para a estruturação da ideia e a produtora retorna esse recurso em parcelas planejadas.

Além de disponibilizar alimentos de altíssima qualidade para os colaboradores, como contrapartida, a horta agroflorestal também é sala de aula para os cursos. É uma vitrine muito didática e abundante da aplicação dos princípios naturais da biodiversidade. Rabanete, rúcula, alface, cenoura, beterraba, couve e brócolis no mesmo canteiro e organizados de maneira a ocuparem espaço e ciclo de vida diferentes. O arranjo também prevê linhas de árvores com bananeiras, espaçadas a cada 6 metros. A função é formar quebra-ventos e disponibilizar matéria orgânica pelas podas drásticas (pulsão), antes de cada renovação dos canteiros de hortaliças. Com essa prática, os canteiros necessitam cada vez menos de insumos, como a cama de frango dos aviários da Fazenda. Como a equipe obedece à risca a lição número 1, do solo sempre coberto, há a diminuição da regeneração de plantas indesejadas, como a tiririca, e se mantem a umidade do plantio.

A roça agroflorestal na Fazenda São Nicolau já tem um plantio estabelecido das linhas de árvores e bananeiras em um espaçamento semelhante. A próxima tarefa será a introdução de hortaliças entre essas linhas, tanto para potencializar a produção de alimentos para a cantina quanto para difundir a experiência com a visita dos estudantes no Programa de Educação Ambiental.

Conhecer a utilização das agroflorestas como ferramenta didática na Escola da Toca também fez parte do conteúdo programático do curso. O espaço simula uma comunidade sustentável com galinheiro, meliponário, compostagem, minhocário, biofiltro, banheiro seco de bioconstrução, cozinha, ateliê e sala de aula. A abordagem pedagógica é baseada em 3 eixos filosóficos: a natureza como mestra, a cultura da infância e o ser integral. Essas orientações resgatam a ligação dos seres humanos com a natureza. A introdução teórica desta pedagogia pode enriquecer as atividades de educação ambiental com as crianças na Fazenda São Nicolau.

O principal objetivo do Saulo, no entanto, era coletar informações para aprimorar o cluster de café agroflorestal no Noroeste de Mato Grosso. A intervenção da equipe de consultoria da Preta Terra foi fundamental, pois, durante 3 dias do curso, ela construiu um diálogo sobre os princípios e a sistematização de agroflorestas regenerativas, considerando os aspectos econômicos da prática. A partir dessa exposição, o Saulo realizou um exercício de planejamento de um SAF que servirá de base para orientar a expansão dos plantios na São Nicolau.

Na visita à Fazenda São Luís, Saulo aprendeu uma dica importante sobre a necessidade de luz no período de indução floral do café. Essa é a época ideal para realizar as podas no sistema – isto é, logo após a colheita. O engenheiro ficou admirado com os avanços das outras pesquisas práticas com agrofloresta em larga escala, tanto para formação de corredores ecológicos e quebra-ventos quanto para produção de soja e milho agroflorestais (plantados entre linhas de árvores espaçadas a 20 metros). Além dos benefícios ecológicos da inserção de árvores no sistema, o objetivo nos próximos testes é que o material triturado das podas complemente a cobertura do solo, principalmente para o controle da regeneração. A ação deve substituir o uso de herbicidas ou de gradeamentos excessivos. O Saulo ressaltou a determinação dos proprietários, que, em um contexto de monocultura de cana e queimadas, atuam como agentes transformadores da realidade e zelam pelo patrimônio histórico.

Outra visita do curso foi no assentamento Mario Lago. O engenheiro da ONF Brasil conheceu a cooperativa formada pelas famílias que plantam e vendem alimentos orgânicos. A iniciativa começou com 80 famílias em uma área de reserva legal comunitária e nas propriedades. Elas trabalham em sistema de mutirão e administram uma cooperativa, a Comuna da Terra. Atualmente essa organização está em processo de obter a certificação orgânica participativa, demonstrando que a agrofloresta pode fortalecer a economia local, garantir a autonomia para os produtores e regenerar a vegetação. Esse último benefício foi uma condição estabelecida para que as famílias pudessem ocupar o local, que é uma das maiores área de recarga do aquífero Guarani.

Saulo defende que os sistemas agroflorestais podem ser até mais eficientes do que os regimes de monocultura, pois possibilitam o cultivo de diversos produtos, otimizam o uso de recursos naturais e não agridem ou esgotam o solo ao final do ciclo produtivo. Algumas diferenças já podem ser observadas desde o início da implantação de um sistema agroflorestal, como o aumento no número de polinizadores e dispersores de sementes. A produção cria um ambiente mais favorável para essas espécies, como também melhora o microclima do sistema e favorece os serviços ecossistêmicos.

Na Fazenda São Nicolau, o engenheiro pretende replicar alguns dos conceitos aprendidos para o cultivo de hortaliças da roça dos colaboradores da ONF Brasil. Mas o objetivo principal com a experiência na Fazenda da Toca é implementar as novas técnicas para aperfeiçoar os pilotos de café na Fazenda São Nicolau e nas propriedades do PA Juruena. Após a primeira safra em 2020, será possível planejar a expansão do plantio e atingir maior escala até 2023.

[i] O grão de café agroflorestal apresenta maiores grãos e teores mais altos de açúcar devido ao aumento do período de maturação, fato que confere melhor qualidade à bebida. Além disso, as agroflorestas são sistemas mais sustentáveis que a produção orgânica convencional. Os SAFs replicam princípios de ecossistemas tropicais como sucessão ecológica, abundância e ciclagem de nutrientes. Também produzem grande parte de sua própria adubação, são eficientes em sequestro de carbono, têm capacidade de melhorar o microclima e são mais resilientes às alterações climáticas.

Equipe da Fazenda prepara o milho para fazer a pamonha (Foto: Alan Bernardes)

Equipe da Fazenda prepara o milho para fazer a pamonha (Foto: Alan Bernardes)

 

Desde a criação da roça agroflorestal na Fazenda São Nicolau em setembro de 2016, o hábito alimentar de alguns colaboradores tem se transformado. Milho, batata doce, mandioca, verduras e outros legumes cultivados no local diversificam os pratos e envolvem a equipe da ONF Brasil em uma relação mais saudável e sustentável com as refeições. Até a Dona Dirce, mãe do engenheiro florestal Alan Bernardes, na ocasião de uma visita à fazenda se inspirou com a produção e compartilhou com o grupo a sua receita de pamonha.

Sob os cuidados do Mauricio Alves Fonseca, colaborador da Fazenda, e com a contribuição ocasional em mudas e sementes dele, dos outros colaboradores e de alguns produtores do assentamento vizinho, a roça se desenvolve e evolui. A iniciativa utiliza práticas sustentáveis estudadas na Fazenda, como a adubação orgânica e a proteção fitossanitária sem o uso de agrotóxicos. Cultivados em associação de espécies e com a recuperação de cobertura vegetal, os frutos e os legumes colhidos se tornam os ingredientes para lanches levados a campo e receitas preparadas pela cozinheira do refeitório, Alaíde Xavier, com a ajuda da Rosimeire Fernandes de Queiroz. Alaíde também tem um canteiro próprio em casa para a cultura de temperos, como coentro e cebolinha.

A produção da Fazenda foi convidativa para Dirce Bernardes quando visitava o filho Alan na fazenda em plena época de colheita do milho. Aproveitando a safra, Dona Dirce promoveu um pequeno intercambio com o pessoal da Fazenda para ensinar o preparo de pratos com o milho produzido na roça. A família de Dirce, de raízes rurais, tem tradição de uso de milho e mandioca como base de receitas caseiras, muito apreciadas no campo. Pamonha e curau foram algumas das iguarias que a cozinheira elaborou com o milho da fazenda. Ela pôde contar com a ajuda de vários colaboradores, animados com a perspectiva da degustação das guloseimas, para o preparo. Cerca de 30 pessoas se deliciaram com os pratos.

 

Dona Dirce ensina as receitas tradicionais de milho (Foto: Alan Bernardes)

Dona Dirce ensina as receitas tradicionais de milho (Foto: Alan Bernardes)

 

O sucesso da roça estimula a preferência por alimentos orgânicos, variados, de origem local e oferece novas possibilidades. O engenheiro florestal do Programa de Integração Local da ONF Brasil, Saulo Thomas, acredita que a experiência pode contribuir para as atividades de educação ambiental da ONF Brasil e espera receber agricultores para dias de campo no local. Para Alan Bernardes, o objetivo agora é aumentar a produção e possibilitar a transformação da Fazenda São Nicolau em um espaço autossustentável.

 

A roça da São Nicolau aplica técnicas sustentáveis para a produção de alimentos (Foto: Saulo Thomas)

A roça da São Nicolau aplica técnicas sustentáveis para a produção de alimentos (Foto: Saulo Thomas)

Cafeicultores participam de formação sobre SAFs (Foto: Iris Parrot/ ONF Brasil)

Cafeicultores participam de formação sobre SAFs (Foto: Iris Parrot/ ONF Brasil)

 

De 8 a 11 de agosto, o Programa de Integração Local da ONF Brasil realizou a “Oficina de boas práticas para a produção de café no Projeto de Assentamento (PA) Juruena”. A formação foi dividida em um módulo de palestras e outros de atividades práticas, inclusive com visita a uma área para o plantio de café na Fazenda São Nicolau. Na parte teórica, foram apresentados os princípios básicos dos Sistemas Agroflorestais (SAFs) e a referência bem-sucedida do projeto Café em agroflorestas para fortalecimento de uma economia de baixo carbono em Apuí (AM), realizado pelo Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam).

A atividade garante continuidade à atuação do PETRA (Plataforma Experimental para gestão dos Territórios Rurais da Amazônia Legal) na formação de um cluster de café agroflorestal no Noroeste de Mato Grosso. O cluster de café agroflorestal é um arranjo colaborativo para reunir os produtores locais. O interesse dos cafeicultores foi identificado a partir da pesquisa “Viabilidade de um projeto agroflorestal baseado no café na Fazenda São Nicolau e integração dos agricultores locais”, realizada entre abril e julho de 2016.

O café foi escolhido pela ONF Brasil porque já é um plantio culturalmente reconhecido na região, o mercado está em alta no momento e a prática permite intensificar o Programa de Revitalização da Cafeicultura no Estado de Mato Grosso (PRÓ CAFÉ) de incentivo ao fruto. Além disso, o aspecto sustentável da oficina é valorizado quando a opção na adubação e controle de pragas, é por produtos orgânicos disponíveis nas propriedades rurais da região. A implementação dos SAFs – com a introdução de espécies arbóreas nos cafezais – é um dos principais elementos para melhorar a qualidade do ambiente com sombreamento, produzir nutrientes para o solo, conservar a água e a terra, além de sequestrar o carbono.

A oficina de agosto ensinou técnicas de manejo aos cafeicultores. A programação compreendeu informações sobre: a poda de formação, renovação e recepa; biofertilizante, compostagem com palha de café, folha de banana, esterco e cinzas; armadilha para broca do café e terreiro suspenso. Os participantes também tiveram a oportunidade de visitar um plantio de café clonal na região.

O maior desafio é abandonar a prática da monocultura. Porém, além das vantagens econômicas, o sequestro de carbono propiciado pelos SAFs é atraente para os agricultores que pretendem contribuir para combater as mudanças climáticas. Uma vez que a agroecologia e a agricultura familiar não utilizam grandes áreas, o produtor consegue tirar uma boa renda em territórios menores, sem a necessidade de derrubadas de árvores. Além disso, o manejo com sistemas de podas contínuas acelera a ciclagem de nutrientes e a fixação do carbono no solo.

Veja mais fotografias do evento:

Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 1

Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 2 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 14 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 13 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 12 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 11 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 10 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 9 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 7 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 6 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 5 Oficina da ONF Brasil estimula os cafeicultores do Noroeste de Mato Grosso a adotarem práticas agroecológicas 3