Academia Brasileira de Ciências

Foto: Acervo da Academia Brasileira de Ciências

Entre 5 e 8 de junho, evento organizado pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) recebeu, na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), membros da comunidade cientifica francesa e brasileira especialistas em biodiversidade e representantes de empresas que adotam esse tema como central nas suas atividades. Entre os cientistas presentes no Simpósio Bilateral Brasil-França sobre Biodiversidade, estava o Dr. Roberto Silveira, Coordenador Científico do projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF (PPCFPO) e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), especialista em ecologia. O pesquisador foi convidado a apresentar os resultados gerados por estudos sobre biodiversidade na Fazenda São Nicolau e seus desdobramentos para contribuições nos campos da medicina por exemplo. 20 anos de projeto e de pesquisas na Fazenda colaboram com o acúmulo de conhecimento sobre o tema e na descrição de diferentes espécies. Essa intervenção da ONF Brasil no evento foi relevante para demonstrar como a iniciativa privada, em consórcio com instituições públicas, pode contribuir para a temática, especialmente em áreas onde há a urgência pela aquisição de informação básica, que ainda é escassa.

Durante a sessão, o Dr. Silveira apresentou números que atestam as contribuições do projeto para avanços na área. Até o momento, foram descritas 23 novas espécies de besouros e uma nova de peixes graças a levantamentos realizados na Fazenda. A expectativa é de que esse número aumente no futuro. Afinal, a maioria dos mais de 40 artigos produzidos por estudiosos associados ao PPCFPO abordam assuntos do campo da biodiversidade. Uma pesquisa de destaque revelou como os grandes mamíferos são continuamente afetados pelos desmatamentos ao redor da Fazenda São Nicolau, de forma que a vegetação nativa da propriedade se tornou um refúgio para esses animais.

Além disso, os reflorestamentos tiveram impacto positivo na recuperação de fauna de cupins, inseto importante no enriquecimento do solo. A biodiversidade estudada também apoia ações de combate ao câncer e à malária a partir do uso de compostos tóxicos de anfíbios, coletados na São Nicolau. O Dr Silveira se mostrou contente com a receptividade do projeto pelos participantes do Simpósio. “Perguntas foram direcionadas para o potencial uso dos reflorestamentos como fontes de renda para o Projeto e como isso poderia ser replicado em menor escala para o trabalhador local”, explicou.

O Simpósio Internacional Bilateral Brasil-França é realizado pela Academia Brasileira de Ciências e coordenado por Adalberto Val (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e por Vivaldo Moura Neto (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Os debates realizados no evento enfatizaram o direito de existir de diferentes formas de vida a serem preservadas e a relevância da biodiversidade para os serviços ecossistêmicos – purificação de água, regulação de clima, recuperação de solos, ciclagem de dejetos e produção de madeira – e a busca por soluções médicas e outros avanços científicos.

“Em particular a biodiversidade da Amazônia fica no meio de dois extremos, um deles sendo a enorme ignorância que temos sobre ela – por ser vasta e pouco estudada – e, no outro extremo, a rápida perda de habitat causada pelo desmatamento e substituição de áreas naturais por pastos. Essa pressão é especialmente alta no Mato Grosso e no Pará”, concluiu Silveira.

Veja mais fotos do evento, registro da Academia Brasileira de Ciências:

Simposio Internacional Bilateral Brasil 1

Simposio Internacional Bilateral Brasil 2

Simposio Internacional Bilateral Brasil 4