09

ago

2018

Em retorno a Cotriguaçu, engenheiro observa a evolução das atividades de conservação na Fazenda São Nicolau

Por forest
TimePhoto_20180719_163459

Felipe Daher retorna à São Nicolau para coletar dados para o seu mestrado (Foto: Felipe Daher)

 

Depois de três anos longe, se dedicando ao mestrado na França, o engenheiro florestal Felipe Daher passou uma semana na Fazenda São Nicolau, entre 15 e 22 de julho, e se impressionou com as transformações realizadas. De 2011 a 2015, Felipe era o engenheiro responsável por diferentes atividades promovidas pela ONF Brasil na São Nicolau e no PA Juruena, como o Programa de Integração Local, os Sistemas Agroflorestais e a recuperação das Áreas de Preservação Permanentes Degradadas (APPD). Os avanços na melhoria da infraestrutura física chamaram a atenção do engenheiro, que, quando trabalhava na Fazenda, acompanhou algumas das obras iniciais para a organização do espaço físico.

Nesta nova visita à São Nicolau, o foco do engenheiro se voltou para as Áreas de Preservação Permanente (APPs) e ele notou bons resultados na recuperação da cobertura vegetal. “Eu gostei muito dos resultados que vi nas APPD e no viveiro, como, por exemplo, a produção de mudas de castanha. Achei muito pertinente o trabalho de mapeamento dos castanhais, a parceria com o grupo de turismo e de saber que o plano de manejo florestal sustentável está aprovado”, elencou.

O mapeamento dos castanhais na região faz parte das atividades de apoio à cadeia produtiva, desenvolvidas em parceria com extrativistas locais. A coleta da castanha-do-Brasil é uma das principais atividades econômicas que valorizam e dependem da floresta em pé no Noroeste de Mato Grosso e já conta com um projeto de minuta para o Plano de Manejo Florestal Sustentável Não-Madeireiro. O engenheiro celebrou ainda a criação da base de dados online que disponibilizará à toda população o conhecimento gerado na Fazenda.

 

O engenheiro notou a recuperação da cobertura vegetal das APPs (Foto: Felipe Daher)

 

Em julho, o Felipe foi a campo na Fazenda para colher dados de monitoramento do estágio de regeneração das áreas restauradas pelo Projeto Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF. A atividade faz parte do seu mestrado em Geomática, área da Geografia dedica à obtenção, gerenciamento e análise de dados espaciais. O projeto de pesquisa, desenvolvido na Universidade de Rennes, na França, pretende verificar e validar a metodologia de interpretação de informações obtidas via satélite com aquelas coletadas em campo, os chamados dados de validação. O trabalho abrange o município de Cotriguaçu (MT) e toda a região do chamado “Portal da Amazônia”. O Portal da Amazônia, área situada no coração do Arco do Desenvolvimento ao Norte de Mato Grosso, se destaca pelos fragmentos florestais que ainda existem no local. A região é delimitada pelos rios Tapajós, Teles Pires, Xingu e Juruena.

O trabalho é realizado em colaboração com o Instituto Centro de Vida (ICV) e o estudo contribuirá para um projeto de pesquisa em maior escala envolvendo os pesquisadores do CIRAD (Centro de cooperação internacional em pesquisa agronômica para o desenvolvimento) em várias localidades da Amazônia. Os aprendizados gerados pela pesquisa do Felipe poderão contribuir para o desenvolvimento do Observatório Territorial do projeto PETRA (Plataforma Experimental para gestão dos Territórios Rurais da Amazônia Legal). Afinal, um dos resultados esperados do trabalho do engenheiro é a atualização da base de dados e de informações da região, em especial sobre a restauração e a regeneração ambiental.

Felipe acredita que a formação dos técnicos e colaboradores da Fazenda também é uma mudança positiva e fundamental para o fortalecimento do trabalho realizado. O engenheiro pontua a importância das atividades e projetos desenvolvidos pela ONF Brasil para a mudança do paradigma ambiental no Noroeste de Mato Grosso.

Comentários

Envie-nos uma mensagem

Envie-nos uma mensagem ENVIAR

ONF Brasil

(65) 3644 7787

contato@onfbrasil.com.br

Fazenda São Nicolau, Cotriguaçu - MT

Treepixel Agência Digital Forest Comunicação